9 de set de 2010

20 de abr de 2010

Não ir é como : não estar

Não brinca de saber

Faz de conta que é sem querer

Não faz mal se não faz bem

Faz assim

Sem perceber

E deixa ao acaso

A ida e a volta se existir

Afinal se foi de verdade, foi de brincadeira

Viver não tem explicação, tem exclamação.

Coisa de querer algo, uma, coisa.

Sombras de um verão não são assombração.

Um dia, o encontro dos que não iam.

Essa é a linha da salinha de estar e ninguém está.

**

Elegia da apostila dos Quarenta

1 de set de 2009

24 de jun de 2009

8 de mai de 2009

7 de mai de 2009

6 de mai de 2009

9 de abr de 2009

6 de abr de 2009

2 de abr de 2009

31 de mar de 2009

30 de mar de 2009

27 de mar de 2009